O que a indústria da carne pode esperar de 2019?

A indústria internacional de carne está enfrentando uma enorme mudança e testemunhou um turbilhão de mudanças e desenvolvimentos em todo o setor.

No entanto, houve também uma série de vencedores, com novas aberturas de mercado, bem como várias fusões e joint ventures criando grandes oportunidades.

Com tantas incertezas, é difícil determinar o futuro da indústria. No entanto, o GlobalMeatNews reduziu três tópicos principais aos quais estaremos atentos para 2019.

Brexit

Sim, nós tivemos que mencionar o Brexit, mas quase três anos depois que o Reino Unido votou para deixar a União Europeia, as negociações ainda estão no limbo, deixando muitos processadores de carne preocupados com seu futuro.

A política desempenhou um grande papel na agricultura este ano e, sem um acordo certo para o Reino Unido, os comerciantes internacionais de carne enfrentam desafios com tarifas, verificações veterinárias e alfândega.

Muitos produtores europeus têm sido proativos na preparação do Brexit e estão se preparando para consolidar os laços comerciais com o Reino Unido. As mais recentes incluem a alemã Tönnies Group comprando a Riverway Foods, produtora de salsichas da Cumberland, para expandir sua participação de mercado no Reino Unido, e a Kepak adquirindo a divisão 2 Sisters Red Meat da Boparan Holdings.

Também permanece um dilema sobre o Reino Unido ser flexível com seus padrões de bem-estar em termos de frango com cloro e carne com hormônio dos EUA. Os pesos pesados do comércio de carne do Reino Unido, incluindo a British Meat Processors Association e o British Poultry Council, permaneceram firmes que não querem ver esses tipos de produtos importados para a Grã-Bretanha.

No entanto, de acordo com uma pesquisa do Conselho de Agricultura e Horticultura do Reino Unido, há consumidores que não se incomodariam com carnes importadas tratadas sendo abastecidas em supermercados e não alterariam seus hábitos de compra.

Comércio dos EUA

Depois de um ano turbulento com tarifas de retaliação impostas aos produtos de carne dos EUA, o presidente Donald Trump está trabalhando com o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) para construir pontes com alguns dos principais mercados de carne do mundo, incluindo China, México e Canadá.

Os suinocultores dos EUA revelaram há alguns meses que as tarifas impostas aos EUA haviam danificado significativamente o setor financeiramente, com os custos subindo para US $ 1,5 bilhão.

No entanto, estão sendo feitos progressos para corrigir os danos, com a China concordando em princípio que reduziria as tarifas em até 40%. O acordo foi feito durante uma reunião entre Trump e o presidente chinês Xi Jinping na cúpula do G20 em Buenos Aires no início deste mês.

Enquanto isso, EUA, Canadá e México também assinaram um acordo para abrir o comércio entre os países.

A medida foi bem recebida pelo presidente do Conselho Nacional de Produtores de Carne Suína, Jim Heimerl, que disse que preservaria o comércio de carne suína com tarifas zero nos EUA a longo prazo.

Dito isso, Trump é conhecido por ser muito imprevisível e mais um deslize do presidente dos EUA pode resultar em resultados catastróficos para a indústria de carnes.

Alternativas à carne

Foi um ano crucial para os fabricantes de alternativas à carne, que estão mantendo a pressão sobre os produtores tradicionais de gado para um desempenho forte.

Com muitas empresas globais de carne alternativas, como Vivera e Beyond Meat, garantindo espaço em grandes varejistas no Reino Unido, haverá preocupações sobre se o setor vai expulsar os negócios tradicionais de carne.

A indústria da carne cultivada também revelou grandes ambições em termos de trazer carnes cultivadas em laboratório para o mercado mainstream. Durante uma visita a Maastricht, na Holanda, no início deste ano, o co-fundador da Mosa Meat, Mark Post, revelou à GlobalMeatNews que a carne cultivada em laboratório tinha o potencial de substituir totalmente a produção de carne no setor. A companhia acrescentou que previa que as carnes cultivadas em laboratório seriam vendidas em varejistas em todo o mundo nos próximos 10 anos.

A inovação tem sido um fator-chave para o sucesso das alternativas à carne, com empresas incluindo a Cargill expandindo os produtos à base de plantas para o setor de peixe.

A demanda dos consumidores por alternativas à carne também está se fortalecendo a cada mês, já que a Mintel revelou que as vendas superaram as compras tradicionais de carne no Reino Unido.

Então, até onde pode ir o setor de alternativas de carne?

Será que vamos ver proteínas à base de plantas em corredores dedicados nos supermercados? Devido ao número de produtos já disponíveis no mercado, prevemos que é apenas uma questão de tempo até que os varejistas parem de armazenar itens ao lado de produtos de origem animal.

As carnes cultivadas serão mais conhecidas na indústria? Provavelmente está muito distante, considerando a quantidade de tempo que levou para que proteínas baseadas em plantas sejam amplamente aceitas, mas certamente tem um enorme potencial.

Fonte: GlobalMeatNews, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir Chat
1
Precisa de ajuda?
Gostaria de mais informações?