Por que desafiar novilhas à cria aos 14 meses e como saber se estão prontas?

Ainda não é aplicável para a realidade de todas as fazendas brasileiras, mas será uma característica que as propriedades voltadas à cria terão que buscar caso queiram se perpetuar nos negócios e seguirem competitivas.

“A gente tem batido nesta tecla desde 2011, já tem quase uma década”, disse o médico médico veterinário Leonardo Souza, sócio-diretor da Qualitas Melhoramento Genético, sobre a necessidade de emprenhar fêmeas aos 14 meses.

“A gente já começou a entender, na verdade, que este é o caminho para melhorar a produtividade da cria. Não tem nenhuma outra estratégia que aumente mais a produtividade da cria do que emprenhar a fêmea com 14 meses. A gente já comprovou que, com a mesma quantidade de fêmeas em um rebanho de cria, é possível produzir mais de 30% a mais de bezerro! Então não tem outra tecnologia, outra ferramenta, vamos pensar assim, que consiga aumentar tanto a produtividade da cria do que a prenhez aos 14 meses”, defendeu Souza.

SUAS NOVILHAS ESTÃO SOBRANDO?


O veterinário informou ainda que indicador o pecuarista pode observar para saber se ele já está pronto para o desafio das precocinhas. “Primeiro o criador sente no rebanho dele que está com as ‘novilhas sobrando’. O que a gente chama de novilha sobrando? Este é o principal ponto. O pessoal emprenha as fêmeas geralmente por volta de 300 kg, aos dois anos de idade. Se ainda é o seu caso, produtor, não tente mexer com prenhez aos 14 meses. Você não está pronto porque as suas fêmeas não estão ‘sobrando’. As suas fêmeas estão sobrando quando estão com 400, 450 kg aos 24 meses de idade para emprenhar. Se você tem esta realidade na sua fazenda, você está adiantado no processo tanto genético como de manejo nutricional do seu rebanho, você está pronto para iniciar este processo. Então eu acho que talvez seria a melhor receita que eu posso passar para um produtor para que ele não comece a equivocadamente na sua fazenda seria realmente estar com as suas novilhas sobrando”, apontou Leonardo.

Conforme revelou o especialista, com as novilhas chegando aos 300 kg já aos 14 meses, é possível desafiá-las a participarem da estação de monta. Mas para chegar à este nível de maturidade, o criador precisar “preparar o terreno” desde o momento em que estas novilhas foram concebidas.

“A gente também já verificou o seguinte: os bezerros, de modo geral, incluindo esta fêmea, têm que nascer nas épocas boas. O que são as épocas boas? Elas estão chegando agora. Agora, no meses de agosto e setembro, são os meses onde vão nascer os melhores bezerros da fazenda – e também as melhores bezerras. Então o primeiro passo é concentrar o nascimento das suas bezerras que virarão matrizes que emprenharão aos 14 meses na melhor época do ano. Para que a gente consiga fazer isto, a gente faz uma estação de monta que permita os nascimentos na melhor época do ano e, principalmente, que a estação de monta seja curta, que a gente tenha a maior quantidade de bezerros nascendo nesta época. Quando você faz isso, automaticamente nós vamos ter a primeira fase sendo atendida, que seria desmamar uma bezerra por volta de 200 kg de peso”, calculou.

TEM RECEITA?


Uma vez que a bezerra é desmamada com 200 kg, ela vira séria candidata para a reprodução antes 14 meses, conforme explicou o veterinário. “Se você desmamou a bezerra com 200 kg de peso, você precisa colocar nela mais 100 kg para ela atingir 300 kg quando ela estiver com 14 meses para entrar na monta. Este é um protocolo simplificado do processo. Desmamar uma bezerra com 200 kg para ela estar com 300 kg no momento da prenhez, da inseminação, porque o histórico que a gente tem no rebanho do Qualitas há uma década tem mostrado que com esta fêmea de 300 kg aos 14 meses, dentro de uma estação de monta de 70 dias, você vai conseguir emprenhar acima de 80% delas. Ponto. A receita está dada”, resumiu Souza.

Leonardo reforçou a importância das condições nutricionais para que a genética se expresse e viabilize uma boa chance de prenhez aos 14 meses. Segundo o especialista, há inclusive muitos produtores que tentam o desafio em uma determinada safra acabam abandonando a tentativa no ano seguinte por entenderem que ainda não estão preparados.

Para o veterinário, a jornada é ainda mais longa para o Nelore, uma vez que o Angus, por exemplo, tem um histórico de seleção maior para a precocidade sexual. “É um desafio enorme, mas precisa ser feito”, comentou o veterinário. Além da seleção genética para precocidade, reforço da nutrição, o criador deve estar atento para manter em seu plantel fêmeas com boa habilidade materna, boa quantidade de leite, para que além de emprenhar, ela dê condições boas aos seus bezerros. Os touros selecionados para cobrir estas novilhas também devem ter características para facilidade de parto, uma vez que os bezerros não podem nascer muito grandes devido ao tamanho menor das matrizes.

Mais do que garantir a primeira prenhez precoce, Leonardo informou que, para que seja o mais produtiva possível, uma matriz deve ter desmamado três bezerros acima dos 200 kg com até 60 meses.

“A razão principal tem na verdade um foco de resultado financeiro, de resultado econômico. Por que a fêmea tem que desmamar três bezerros acima de 200 kg até os 60 meses de idade, na verdade até quatro anos e meio ou, no máximo, cinco anos? Porque esta fêmea vai deixar mais dinheiro na fazenda se comparada com uma fêmea que deixou só duas crias. E não só isto – o maior custo que existe na fase de cria é justamente o custo com a recria de fêmeas que estão improdutivas. […] Independente do momento que ela emprenhar, ela vai custar, no mínimo, R$ 3.200,00 hoje em uma fazenda. Para parir o primeiro bezerro, ela custou mais de R$ 3.000,00. É matemático!”, expôs. Daí a importância de diluir este custo ao longo de mais bezerros desmamados ao longo de sua vida produtiva.

Questionado sobre se ainda há tempo para preparar a matriz que não está bem nutrida para a próxima estação de monta, Leonardo Souza foi taxativo. “Infelizmente para esse criador o ano já acabou!”, lamentou. Para que esteja apta a entrar na monta, a fêmea, conforme ensinou o veterinário, deve ter parido seu último bezerro gorda, com bom escore, para chegar com reservas neste momento pré-estação de monta, em que as pastagens estão secas e que o milho, que poderia ajudar neste escore corporal, está caro.

Ainda assim, Souza acredita que especialmente em 2020 muita fêmeas que não deveriam entrarão mesmo assim em estação de monta pela valorização do bezerro, portanto na desmama da safra concebida nesta estação, em 2022, a “fornada”, na média, terá pior qualidade.

O veterinário concluiu sua entrevista ao Giro do Boi resumindo as dicas para um bom manejo reprodutivo. “Se você quer ter uma fazenda de cria altamente produtiva, faça uma estação de monta curtana época certa do ano, que você vai colher frutos que você não acreditava ser possível ter na sua fazenda. A primeira coisa que vai mudar é que você vai ter bezerros desmamados na sua fazenda de 250 a 300 quilos, coisa que você não via antes”, finalizou.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir Chat
1
Precisa de ajuda?
Gostaria de mais informações?